Como eu estou vendendo todos os dias mesmo com a crise do coronavírus

O coronavírus não perdoa. Está causando muitos problemas ao redor do mundo todo, no Brasil não é diferente. Logo que foi instaurada a quarentena no estado de São Paulo e no Rio, muitas confeiteiras no grupo do face se queixaram que tiveram encomendas canceladas. Você pode ter sido uma dessas, é muito triste ver isso. Não é para menos, muita gente foi dispensada do trabalho, quem trabalha por conta também está sem renda (cabeleireiros, manicures, ambulantes, feirantes, etc), e muita gente está preocupada em pagar as contas mais do que em comprar doces neste momento. Isso sem falar que fazer festa de aniversário está totalmente fora de cogitação neste momento.

O cenário era de desespero total, a sensação de que quem trabalha com confeitaria ia seguir ladeira abaixo era evidente. E não tinha o que fazer ... não era culpa de ninguém, a quarentena era a única maneira conhecida de salvar as vidas das pessoas. E ainda é. Assim que foi anunciada todos os serviços considerados não essenciais foram fechados, ficando permitidos de continuar funcionando apenas Supermercados, Farmácias, postos de combustível e serviços de alimentação. Mas diante de uma crise dessas, ou a gente desiste, ou a gente dá um jeito. Desistir não é uma opção para mim, pois vivo disso, e se você vive disso também não deve desistir.


Então se você quer saber como eu dei meu jeito e segui vendendo mesmo com todas estas dificuldades leia este texto até o final que você vai entender, eu tenho certeza que vai fazer a diferença para você se está com este problema agora.


Então me vi desesperada, com minha filha em casa e com a certeza de que não ia conseguir vender nos próximos meses. O primeiro pensamento que veio foi “mas doce é uma coisa trivial, as pessoas não vão comprar agora”. O que se mostrou não ser totalmente verdade. Quem não cozinhava continua não cozinhando, os restaurantes caros continuam abertos com Delivery, quem comprava comida barata continua comprando dos restaurantes baratos, quem comprava comida cara continua comprando comida cara. Na verdade, o dinheiro da maquiagem, do cabelo, das roupas, dos móveis, do bar, e todas as outras coisas que não eram mercado, comida ou remédio agora só serve para comprar estas três coisas (e pagar internet, é claro...). As pessoas estão comprando mais comida do que nunca porque é basicamente com isso que elas têm como gastar a mais a gora.

E nós confeiteiras, que não temos um salão com 50 mesas, que não temos que pagar garçom, que não temos uma cozinha com 5 pessoas trabalhando, que trabalhamos em casa sendo MEI, que não temos boletos de 10mil de fornecedor para pagar, somos as menos afetadas porque nosso esquema de trabalho não vai mudar muito. Só quem trabalha de porta em porta ou vendendo em espaços públicos que agora vai ter que se adequar e profissionalizar um pouco mais seu trabalho, usando pelo menos o WhatsApp para pegar encomendas.

Mesmo assim estava muito difícil ver como seguir em frente, por que tudo ia se complicar, ia ficar sem ter como comprar embalagens, o mercado ia ficar restrito, talvez faltassem muitos produtos, talvez o preço das coisas subissem muito, as feiras livres acabaram e eu não tinha como comprar milho para fazer meu carro-chefe, o bolo de pamonha na palha. Se fosse para continuar trabalhando e não deixar a peteca cair, teria que mudar muitas coisas. Fiquei meio perdida sem saber por onde começar. Primeiramente comecei a fomentar a campanha para as pessoas comprarem de pequenos produtores, postei uma imagem no face, no insta tanto para meus clientes quanto para minhas alunas, esta campanha foi ganhando força e acho que teve seu resultado.


As mudanças que tive que fazer na minha rotina foram:

- ir ao supermercado em horários estratégicos para evitar aglomerações, fazer a compra o mais rápido possível e tomando todos os cuidados

- modificar o cardápio para que pudesse conter apenas itens que eu teria como comprar já que as lojas e as feiras livres estavam fechadas

- comprar embalagens de empresas que estão vendendo pelo whatsapp e entregando em delivery

- redobrar os cuidados com higiene, trabalhar sempre de máscara.

- Oferecer frete grátis para os meus clientes, e levar os produtos até eles manipulando com o mínimo de contato humano.


Estes cuidados agilizaram minha produção, e fui obrigada a me organizar de uma forma adequada a esta pandemia.

Pensei também em que mudanças eu faria no meu cardápio frente à mudança nas demandas e hábitos das pessoas. Lembre-se: toda vez que você vende para alguém você está ajudando a pessoa a resolver um problema ou atender uma demanda dela. Então é preciso entender os tipos de clientes e tipos de demanda. Agora as pessoas estão em casa, sem ter como sair (algumas sem ter como trabalhar e com a renda comprometida), sem ter como ver os amigos e parentes e passando muito tempo com a família ou sozinhas. Então é este tipo de comportamento que vai ditar as demandas agora.

O que estas pessoas querem que eu como confeiteira posso fornecer?


Então comecei a pensar em alternativas de produtos, deixando meus carros-chefe de lado para não os prejudicar, e oferecendo outros produtos que atendiam os seguintes requisitos:

1 – Eram um pouco mais em conta para o cliente

2 – tinham um prazo de validade maior

3 – Demandavam um tempo de produção menor

4 – Não precisavam de insumos que eu não tinha como comprar no supermercado ou dos fornecedores que estavam com delivery

Assim teria como ofertar um produto que seja atrativo para meus clientes, que eles tenham como continuar comprando meus produtos, fomentando meu trabalho e eu consiga continuar pagando minhas contas neste momento. Isso, é claro, sem desvirtuar a minha linha de trabalho. Não mudei da água para o vinho nem fui atrás de seguir modismos, busquei produtos que faziam sentido dentro da maneira como eu sempre trabalhei.

Então eu criei tortas salgadas que dão para congelar, coxinhas, bolos caseiros mais simples, geladinhos gourmet que tem uma validade maior e tem como deixar à pronta entrega. Eu também criei Kits interessantes para um momento de descontração, cada um com uma proposta diferente. Neste momento fui buscar fazer parcerias com outras pessoas buscando fortalecer outras confeiteiras aqui da cidade que tecnicamente são concorrentes, mas que juntas possamos unir forças e buscar soluções. Então criei os seguintes kits:

Embalado em forma de Presente, no kit carinho de amigo Contem: 1 caixinha de brigadeiro com 6unid (Tradicional e leite ninho com Nutella) 1 pacote de pipocas Gourmet de leite ninho R$20 Kit Netflix (individual) Tem a proposta de garantir o seu fim de semana muito mais doce. No kit Contem: 1 bolo piscininha de Cenoura 1Caixinha de brigadeiro com 6 unid ( Tradicional e leite ninho com Nutella) 1 pacote de pipoca Gourmet de leite ninho 1 tortinha salgada de frango com Catupiry 220g ( assada ou congelada) R$40 Kit Netflix (Família.) Tem a proposta de garantir o seu fim de semana e de sua Família muito mais doce. No Kit contem: 1 bolo piscininha de cenoura. 2 Caixinha de brigadeiro com 12 unidades no total (Tradicional e leite ninho com Nutella) 3 pacotes de pipoca Gourmet de leite ninho 3 tortinha Salgada de frango com Catupiry 220g (assada ou congelada) R$80


E para ajudar a impulsionar isso, presenteei algumas pessoas, influencers, pessoas conhecidas na minha cidade que me recomendariam para os seus seguidores neste momento em que está todo mundo nas redes sociais mais do que nunca. E pasmem, muita gente veio querer conhecer meus produtos por conta disso. Se quiser ver a divulgação que a Dani fez, olhe o primeiro destaque na minha página @laridocesartesanais ou clique aqui.


Quando coloquei isso em prática, logo vi os resultados. Os clientes da Yesda puderam conhecer meus produtos, os meus clientes puderam conhecer os produtos dela, e eu consegui vender durante estas duas semanas da quarentena mais do que estava vendendo antes! Minhas previsões catastróficas não se realizaram, e na verdade minhas vendas aumentaram. Os resultados foram:

- Mesmo com as mudanças os clientes antigos continuaram comprando

- Muitos clientes novos vieram

- As vendas aumentaram

- Descobri o valor de uma boa parceria, de alguém que tem a acrescentar e que fez sentido para mim


Me reconectei com aquela força que me fez começar a trabalhar com confeitaria, e que me fez querer ajudar outras confeiteiras a fazer o mesmo. Se você está com problemas por conta da crise do corona aqui vai as minhas dicas para você, baseado no que eu tenho enfrentado:

- Entenda que as demandas mudaram, e você precisa se adequar a elas se quiser sobreviver ao cenário atual

- Mantenha uma boa comunicação com seus clientes, deixando eles cientes das dificuldades que o momento impõe mas sem se vitimizar. Lembre-se que os clientes não podem sentir que estão te fazendo um favor, nem comprar por dó, mesmo que estejam preferindo comprar de você do que do supermercado para fomentar um pequeno negócio, você está atendendo a uma demanda deles.

- Invista em Kits pensando em situações que você poderia estar ali fazendo parte da rotina do seu cliente. Pode ser um kit para um almoço de domingo, pode ser um kit de café da manhã para que ele não precise ir até a padaria comprar seu pão, pode ser um kit para um casal passar a tarde vendo um filme juntinho, use sua criatividade. O que eu fiz para os meus clientes foi pensando nas pessoas que eu conheço e vendo sempre, o que você vai fazer para os seus vai depender do que você sabe sobre seus cliente.


E você?! Como tem sido esta quarentena para você? Conta aqui para sabermos.

Espero que minha experiência possa te ajudar neste momento.


1,498 visualizações5 comentários

Posts recentes

Ver tudo