Quanto cobrar pelo meu produto???

Seja iniciante, ou seja uma confeiteira que já tem um certo tempo de estrada, você sempre vai ter estas dúvidas


"Quanto cobrar no meu produto?"

"Será que este preço está bom?"

"Será que os clientes vão achar caro?"

"A quanto será que estão vendendo esse tipo de produto por aí?"


É uma dúvida normal, e necessária se você quer trabalhar direitinho. Acontece que não existe uma regra única ou suprema de precificação. Esse assunto é mais complexo do que parece. Mas de complicação a vida já está cheia, então vamos simplificar um pouco???


Independente do método de precificação tem 3 coisas que você precisa considerar na hora de estipular o preço dos seus bolos:


A primeira coisa a levar em consideração na hora de precificar é o custo do material. Se você gasta 10 reais para produzir uma receita, lógico que não pode vender a menos que isso. Parece redundante dizer isso mas tem muita gente que não faz a conta do gasto de material na receita e se baseia só no preço do concorrente.

"Fulana vende a 20 reais, vou vender assim também que vai dar certo"


Amore, já parou para pensar que a fulana pode não saber o que está fazendo? E que só copiou o preço de outra pessoa que mora em outra cidade onde o custo de vida pode ser muito diferente da sua realidade?

É por este motivo que eu não passo receita com preço de venda sugerido. Por que isso não existe! Não é um chiclete de balcão de supermercado que vem com valor de venda sugerido na caixa, é um produto artesanal, caseiro. Então o maior erro que você pode cometer é copiar o preço da concorrente, ou o meu que eu pratico aqui.


Para calcular o valor gasto para produzir um insumo é bem simples. Você só precisa tirar o preço proporcional em relação ao que você pagou no pacote. Vou citar alguns exemplos:


Se uma cartela de 30 ovos custa R$10 então quanto sai o custo de cada ovo?

É só fazer R$10/30 = R$0,333

Ou seja, cada ovo sai por 33 centavos. Se na receita vão 3 ovos, então o custo de ovos naquela receita é de R$0,99 então vamos arredondar para 1 real.


Se o produto for liquido, a lógica é a mesma. Se 1L de leite custa 4 reais e rende 4 xícaras de 250ml, então quanto custa cada xícara?

Sendo 1 litro = 1000 ml temos

R$4/1000ml = R$4/4xícaras = R$1 cada xícara


E para os produtos em gramas? Nada muda, só fazer a conta, seja em xícaras ou em gramas.

Pega um kg de farinha por exemplo, são 1000g, e custa R$3. Pega a sua xícara ou copo medidor e meça quantas xícaras esse 1 kg vai render. É algo em torno de 6 xícaras. Então vamos usar isso como base:

R$3/6 xícaras = R$0,5


Ou seja, são 50 centavos por xícara de farinha, se na receita vão 2+1/2 xícaras, então o custo da farinha é R$1,25


No final oque você vai ter que fazer é somar todos os custos dos ingredientes e adicionar o custo da embalagem também (não pode esquecer), e vai ter o custo total daquela produção. Este custo vai ser uma referência para fazer o preço.


A segunda coisa a se levar em consideração é a mão de obra que aquela produção tem. Há receitas que são simples e rápidas de fazer, já tem outras que requerem mais conhecimento, que não é qualquer um que faz. Pão por exemplo, um quilo de farinha faz quase dois quilos de pão francês. Para uma padaria, as vezes não sai nem R$1 o quilo da farinha, e o quilo do pão? Chega a custar R$12 reais por aqui...

"Nossa mas que pão é esse, que a farinha custa tão barato e o pão custa tão caro?!"

É o trabalho que dá para fazer, o investimento em equipamentos que o estabelecimento tem, e os valores de mercado que são praticados aqui na região que permitem que a padaria cobre isso e ninguém reclame.

Tenha em mente: produtos que dão muita mão de obra PRECISAM ser mais caros. E quanto é muita mão de obra? Isso depende, quanto vale o seu tempo???


O terceiro ponto a considerar é sim os valores de mercado. Não entenda errado: não é para você fazer o mesmo preço da sua concorrente! É entender os valores praticados na sua região e ver se você está muito fora da realidade. Se um bolo simples e sem cobertura vende no supermercado à R$10 e o custo dele, pra eu fazer um equivalente caseiro, sai a R$8, eu NÃO VOU vender ele ao preço do supermercado. Eu não tenho como competir com o preço do supermercado, não tenho o mesmo poder de compra, nem o mesmo volume de vendas. O mesmo pode valer para as outras confeiteiras da sua região.

Eu sei que você deve estar pensando "ai Lari mas o povo só quer saber de preço, ninguém quer pagar a qualidade", e aí que está o seu equívoco!

Isso é uma meia verdade. Para poder vender no preço certo você tem que entregar valor para o cliente. E valor não é preço!


"Como assim Lari, valor não é preço?"


Você é confeiteira, trabalha em casa, todo seu processo é artesanal, não usa conservantes, usa ingredientes fresquinhos, faz o bolo do jeito que as avós fazem em casa, não tem nada a ver com bolo de supermercado feito em esteira de produção. E seu cliente sabe disso? As vezes só de colocar um bolo do lado do outro não vai ter muita diferença, então você precisa comunicar com seu cliente o seu processo artesanal, faz alguma personalização no bolo, uma tag, uma embalagem bonita, alguma coisa que faça ele dar valor ao seu trabalho e aí seu produto não se torna comparável ao do supermercado ou da concorrente. Mas esse tópico vale outro artigo.

A mensagem aqui é a seguinte: se seu produto é muito parecido com o da concorrência, dificilmente você vai conseguir competir o preço. Escolha bem seus adversários, não entra numa briga por cliente contra quem não tem como ganhar. Há muito espaço no mercado para todo mundo, e quem vive de copiar a vizinha está sempre perdendo.


"Ok, todo esse sermão até aqui, mas e aí como que você coloca preço nos seus produtos então?!"


Há um método de precificação que eu gosto bastante, e recomendo muito para quem está começando. Não é o mais preciso de todos, mas é simples e eficiente, principalmente para quem não tem experiência. É a famosa precificação x3 ou x4. Se você nunca ouviu falar disso é por que deve estar começando agora, se você já conhece então entenda a lógica por trás.

O método consiste em pegar o custo de insumos de um produto e multiplicar por três ou por quatro, a depender da mão de obra envolvida naquele preparo.


Se eu gasto R$12 reais para produzir um bolo simples de liquidificador, eu multiplico ele por 3, e o preço de venda estimado dele sairia por R$36. Neste caso eu arredondaria para R$35.

Se for um bolo mais elaborado, como o bolo de pamonha por exemplo (que por acaso tem exatamente este custo) eu multiplico por 4, então vai dar R$48, que eu arredondo para R$50


Sim, meu bolo de pamonha na forma 24cm custa R$50, e ninguém reclama do preço.


Mas por que multiplicar por 3 ou por 4?


A primeira parte é o custo dos insumos, a segunda parte é uma estimativa do seu custo fixo (água, energia, combustível, gás, papel toalha, plástico filme, etc) que envolve tudo aquilo que você não tem como estimar exatamente o custo por produção. A terceira parte é sua margem, é o dinheiro que fica no seu caixa. Se for x4, então metade é o dinheiro que fica para você, é o que vai pagar sua mão de obra.


"Mas Lari, eu fiz aqui e ficou muito mais caro que o pessoal vende aqui na cidade, o que eu faço?"

Então, você tem duas opções: ou vai em frente e tenta vender assim mesmo, aí faz alguma coisa para se diferenciar, procura clientes que vão pagar o preço, personaliza, faz uma embalagem bonita, etc; ou então abandona e pensa em outro produto que seja diferente do que tem aí na sua região e que não vai ter esse fator de comparação.


Eu mesma estou sempre trocando meu cardápio, toda semana tenho novidade para os clientes. Isso porque me dedico a ficar criando receitas toda semana para minhas alunas. Acho que eu sou a confeiteira que mais inventou bolo caseiro nesse Brasil hahaha.


Não é à toa que meu curso 50 bolos caseiros para se diferenciar da concorrência é o meu curso mais procurado. Se eu quiser oferecer um bolo diferente toda semana, só com esse curso eu posso, já que o ano tem 52 semanas. Com as tags que eu uso, e as embalagens que eu faço, ainda consigo fazer várias opções que fazem os bolos serem presentes lindos que enchem os olhos, o que me coloca numa posição de destaque aqui na região.

Essas dicas todas eu dou no curso, se você tiver interesse é só acessar esse link aqui para ver tudo que tem nele.


CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS SOBRE O CURSO


Mas voltando ao assunto da precificação, tem três perguntas que você tem que se fazer quando acaba de precificar seu bolo:


1 - Eu estou ganhando quanto com cada bolo desse que eu vender?